04/03/10

Nem sempre o silêncio é de ouro...

Queridos leitores:

Sei que tenho estado muito ausente no que toca às escritas e não era esta a minha ideia quando pedi uma licença sabática à família SIMECQ, mas não é à toa que a Preguiça é um dos 7 pecados mortais...

Desta vez venho partilhar com todos os que amam o basquetebol algo que me está a deixar muito incomodada.
Está em risco a continuação de um clube de basquetebol com 34 anos de existência e que apesar de ser um clube pequeno é um Grande Clube. Refiro-me à Escola de Basquetebol de Pedro Nunes, sita em Lisboa nas instalações da Escola Secundária Pedro Nunes.

Por esta escola passaram muitos atletas, que hoje são treinadores, árbitros, oficiais de mesa e até dirigentes federativos. Felizmente tive o prazer de fazer parte desta família à qual tenho muito a agradecer.

O Conselho Executivo da escola, de há alguns anos para cá, deixou de colaborar com o trabalho que se tem feito na escola de basquetebol, mas graças ao esforço e dedicação da parte da direcção, liderada pelo Presidente Luís Saldanha a escola de basq. vem sobrevivendo com muita dificuldade a nível financeiro, mantendo a sua actividade: Formar atletas, mas sobretudo formar Pessoas.

No final do passado ano lectivo, a escola entrou em obras e suspendeu os treinos de basquetebol. A época de 2009/2010 começou e as equipas de basquetebol não puderam proceder à sua inscrição. Depois de vários meses à espera de uma satisfação da parte do Conselho Executivo, o seu Presidente resolveu enviar uma carta, a qual passo a publicar:

"Exmo. Conselho executivo da Escola Secundária de Pedro Nunes, venho na qualidade de presidente da direcção da escola de basquetebol, enviar-vos este email para demonstrar alguma estranheza na maneira como temos sido tratados em relação ao processo das obras, o novo pavilhão e a utilização ou não futuramente das instalações.

Em primeiro lugar venho dizer-vos que com alguma estranheza e até desgosto a maneira como Vexas, têm procedido para com quem faz parte dessa casa há 40 anos, que aí trabalha no âmbito desportivo há mais de 35, dignificando a Escola, o nome desta, ajudando ao longo destes anos todos ,a educar, a formar jovens que hoje já são homens e chefes de família…Formámos ao longo destes anos, alunos dessa casa, como treinadores, membros federativos, árbitros, jogadores, dirigentes e acima tudo homens com H grande, que ainda hoje estão ligados à “nossa casa” com muito orgulho e dedicação. De certa forma, somos os segundos pais, os segundos professores, acabamos por ser a vossa retaguarda na ajuda a dar uma formação desportiva complementando a escolar que Vexas., tão bem o sabem fazer.

Tivemos ao longo destes anos, honras de televisão, tempo de antena, levámos o nome da Escola aos vários cantos deste país, fomos honrados com a presença do Exmo. Senhor Presidente da Federação Portuguesa de Basquetebol que veio pessoalmente descerrar a placa dos 30 anos da nossa existência, onde Vexas., embora convidados não apareceram, com certeza por impossibilidade de agenda. Ao longo destes quase 35 anos de trabalho, passaram por nós centenas de jovens vindos das aulas de educação física que assim complementavam com uma actividade desportiva colectiva que é fundamental para o cimentar da amizade, da camaradagem e do sentido de entre ajuda, armas estas que lhes serão fundamentais pela vida fora. O nosso trabalho como treinadores, não se limita somente a dar os treinos e ir embora, mas também faz parte das nossas funções, acompanhar o atleta como aluno, para que o basquetebol seja uma actividade positiva e não nociva em relação aos estudos que para nós são sagrados e são a arma importante para o seu futuro como homens.

Assim não entendo como passado este tempo todo desde que as obras foram começadas, que Vexas., não tenham tido tempo para se reunirem connosco fazendo-nos um ponto de situação, sabendo de antemão, que ali naquelas instalações, treinamos, jogamos, etc.…havia prazos a cumprir em termos de inspecções médicas, inscrições, começo ou não de treinos, e acima de tudo uma atitude de boa educação, que era eu como presidente ou como treinador informar os atletas daquilo que se iria passar para eles poderem decidirem o seu futuro, e não ficarem presos a uma situação ambígua cujo futuro era muito incerto.

Acho que merecíamos mais do que recados dados pelos empregados, saber coisas porque ouvíamos os outros falar, receber ordens vossas pelos ditos, algumas por vezes contraditórias pois nem eles sabiam o que realmente se passava, reuniões e recados via telemóvel ou no átrio da escola como se tratasse de um favor falarem connosco. Estou profundamente triste com tudo isto e embora não seja agora a hora de procurar culpados ou inocentes, acho que merecíamos outro tratamento, e ainda penso que uma reunião formal no vosso gabinete pondo-nos ao corrente do que poderíamos ou podemos contar era o mínimo para definirmos o presente e o futuro nosso e dos nossos atletas.

Gastou-se ao longo dos anos muito dinheiro e esforço pessoal das nossas vidas para mantermos este projecto de pé, que existe graças ao convite que o então conselho executivo me formulou juntamente com os professores de educação física da altura, e que desde 1976 eu teimo em manter em pleno funcionamento, embora com total alheamento das entidades escolares que nem nunca compareceram a assistir a um jogo que fosse, honrando-nos com a vossa visita, e para nós vos podermos demonstrar quanto orgulho temos na camisola que envergamos.

Entrei nesta casa com 12 anos, tenho 53 e sempre tratei todos com o máximo respeito e dignidade, e gostava sinceramente pois sei que sou merecedor disso que Vexas., também tivessem um pouco de respeito por nós e pelo nosso trabalho. Até a própria Federação atrasou os sorteios para ver se nós conseguíamos resolver o nosso problema, mas como não conseguimos falar convosco nem com ninguém duma forma clara e objectiva, chegamos assim ao dia de hoje, orgulhosos do nosso passado, com pensamento incerto do nosso presente e sem sabermos realmente nada do nosso futuro…

Mais de 25 pessoas que dependem de mim, esperam ansiosamente por uma resposta positiva ou negativa, para podermos dar um rumo à nossa vida.

Esclareço ainda Vexas., que a não utilização das instalações neste momento deve-se ao facto de não haver tabelas de basquetebol para podermos exercer o nosso trabalho como deve ser. Não é praticável colocar atletas de competição que não treinam há mais de 4 meses, num pavilhão a jogar futebol, pois isso até pode vir a provocar lesões graves para o seu futuro.

Posto isto, aguardamos que Vexas., tenham a gentileza de nos convocarem para uma reunião, quando entenderem por bem fazê-lo, pois eu e a minha direcção, duma maneira ou doutra , precisamos saber como, onde e quando voltamos ou não a ter condições de manter a Escola de Basquetebol a funcionar podendo desde já preparar a nova época 2010/2011, que infelizmente fomos forçados a interromper este ano. A frustração é grande, mas a vontade é ainda maior e penso que todos juntos numa colaboração estreita vamos conseguir continuar um trabalho tão bonito, tão digno, como digna é a Escola que defendemos, onde nós andámos e os nossos filhos também.

Com os meus mais respeitosos cumprimentos, sou com elevada consideração e estima.


Luís Saldanha"


Peço a todos que sentem a mesma indignação que eu, que façam chegar ao maior nº de pessoas esta informação que resolvi partilhar convosco.
Eu fiz a minha parte e escrevi um email para o Conselho Executivo da ESPN: cexecutivo@espn.com.pt




5 comentários:

Famse disse...

Aqui está um Clube que vive inteiramente da boa vontade e do "espírito de missão" de meia dúzia de pessoas, espero que o Conselho Executivo da Escola "acorde" e dê o real valor ao trabalho realizado!

Como diria o outro: "Já fui muito feliz neste clube", onde joguei apenas 3 anos há muito, muito tempo atrás, mas que nunca esqueci! Onde, mais que as questões técnicas que possa ter aprendido, criei relacionamentos e amizades que duram até hoje!

Só tenho a agradecer à Escola de Basquetebol de Pedro Nunes, principalmente ao Rui Marote que, na altura, tudo apostava no feminino!

Coach Paula disse...

Informo que o Pedro Nunes vai poder continuar o seu trabalho, uma vez que o Conselho Executivo reuniu com a direcção da escola de basquetebol e ficou acordado que iriam repor todas as condições e melhorar algumas para a prática do Basquetebol. Um bem haja a todos os que ajudaram a conseguir atingir este objectivo.
Viva o Basquetebol!!!

Anónimo disse...

Fico muito satisfeito por saber que o Conselho Executivo já reuniu e espero que reponham as condições e melhorias o mais rápido possível, pois o Pedro Nunes, e todos os que lá estão ou passaram, bem merecem essa continuação da aposta no basquetebol! Orlando Silva

Raquelinha disse...

olá chamo-me raquel costa tenho 10 anos e gostava de entrar no simecq por várias razões 1ºporque adorava ser melhor e uma grande profissional e 2º porque já joguei basquet mas tive várias lesões e tive de parar.
por isso espero que seja desta...
por favor...:)

Coach Paula disse...

Olá Raquel. Toda a gente é benvinda na SIMECQ e garanto-te que o trabalho que se faz neste clube é dos melhores do país. Em Setembro começa a época. Vai estando atenta ao blog que todas as novidades serão publicadas. Boas férias!